Home Directório empresas e-Newsletter Publicidade Sobre nós Contactos Todos os Canais  
  Pesquisar empresas  
    
   Canal Informação
  Notícias
  Emprego
  O Concelho
  Tribuna Livre
   Canal Lazer
  Turismo
  Gastronomia
  Museus / Exposições
  Festas / Concertos
   Canal Comunidade
  Classificados
  Passatempos
  Galeria
  Links
>
 

Luísa Rodrigues está no 12.º ano e este é o ano dos seus últimos exames nacionais. Os exames são não só um requisito para acabar o secundário, como também um passaporte de entrada na universidade. Para cada disciplina sujeita a exame, há uma prova igual para todos os alunos a nível nacional. Para Luísa, “o objectivo dos exames é tentar nivelar o ensino e tentar avaliar de forma igual para toda a gente, mas acaba por perpetuar a injustiça que tenta desfazer”. Luísa tem 17 anos, estuda na Escola Secundária Filipa de Vilhena, no Porto, é só uma de milhares de estudantes que este ano vão realizar exames nacionais. Ler mais em: http://www.publico.pt/sociedade/noticia/alunos-protestam-e-dizem-nao-aos-exames-nacionais-1696311

Ler notícia inteira    

O Ministério Público determinou esta segunda-feira a abertura de um inquérito de investigação criminal ao caso das agressões por parte de um agente da PSP a uma família de adeptos benfiquistas, após o jogo de ontem, junto ao estádio do Guimarães. As imagens exclusivas da CMTV mostram um homem a ser espancado em frente aos dois filhos menores, que acabaram também por ver o avô ser agredido da mesma forma. Ler mais em: http://www.cmjornal.xl.pt/desporto/futebol/detalhe/mai_vai_abrir_inquerito_a_agressoes_a_familia_em_guimaraes_apos_jogo_com_benfica.html

Ler notícia inteira    
 
 

A antiga estrela do Benfica e da seleção portuguesa de futebol, que morreu no domingo, manifestou como último desejo dar uma volta olímpica ao estádio que chamava a sua casa As mais de 10 mil pessoas presentes no estádio da Luz para renderem a última homenagem a Eusébio protagonizaram uma primeira salva de palmas ainda antes de o corpo entrar no relvado. A antiga estrela do Benfica e da seleção portuguesa de futebol, que morreu no domingo, manifestou como último desejo dar uma volta olímpica ao estádio que chamava a sua casa. Pelo menos 10 mil pessoas, entre adeptos "encarnados" e público anónimo, marcaram presença nesta homenagem ao "Pantera Negra", vislumbrando-se inúmeros cachecóis e entoando caânticos, com realce para o "tu és o nosso rei Eusébio". O plantel principal de futebol do Benfica posicionou-se na bancada presidencial, liderado pelo treinador Jorge Jesus, numa zona em na qual se posicionaram igualmente muitas personalidades, além da mulher Flora, acomapanhada pelo presidente do Benficda, Luís Filipe Vieira. Eusébio da Silva Ferreira morreu no domingo, às 04:30, vítima de paragem cardiorrespiratória. O “Pantera Negra” ganhou a Bola de Ouro em 1965 e conquistou duas Botas de Ouro (1967/68 e 1972/73). No Mundial de Inglaterra, em 1966, foi considerado o melhor jogador e foi o melhor marcador, com nove golos, levando Portugal ao terceiro lugar. Eusébio nasceu a 25 de janeiro de 1942 em Lourenço Marques (atual Maputo), em Moçambique. O corpo do antigo jogador de futebol Eusébio está em câmara ardente no Estádio da Luz, porta 1 (acesso pela porta 11), desde as 17:30 de domingo, com a missa a realizar-se hoje, às 16:00, na Igreja do Seminário no Largo da Luz, após o que o corpo segue para o cemitério do Lumiar, onde o funeral se realiza às 17:00. 6 de Janeiro 2014

Ler notícia inteira    

A Associação Portuguesa da Síndrome do X Frágil está a organizar o lançamento do livro, organizado pelo Dr. Vítor Franco, Síndrome de X Frágil, Pessoas, Contextos & Percursos. O lançamento do primeiro livro em português sobre X Frágil irá ter lugar na Fundação para a Ciência e a Tecnologia, Loja do Cientista, Av. D. Carlos I, 124-J, 1249-074 Lisboa, dia 06 de Julho de 2013 pelas 11:00 h. Em seguida, haverá um almoço convívio para quem quiser. O espaço onde se irá realiza o lançamento do livro não é muito grande, 18 a 24 lugares sentados e 30 lugares de pé. Este espaço foi escolhido, A Loja do Cientista, por pertencer à Fundação para a Ciência e a Tecnologia, fundação essa que apoiou financeiramente este projecto. Por isso, este livro não pode ser vendido, nem se encontra disponível nas livrarias. Este evento está aberto a todas as pessoas, no entanto, estamos sempre condicionados pelo espaço pelo que será necessário uma inscrição prévia para não ultrapassar o número disponível de lugares de pé. Para quem quiser ter “ Síndrome de X Frágil, Pessoas, Contextos & Percursos”: - deve pedir à APSXF; - e quiser que lhe o enviemos, terá de pagar o envio. Queria pedir a todos vocês que ainda não são sócios da associação que o façam porque se, realmente, queremos ser uma associação com força e que se faça ouvir, temos de estar juntos. Ao lado da APSXF, estão colaboradores, profissionais e amigos extraordinários, que se entregaram à nossa causa sem quererem nada em troca. Cabe a vós, agora, serem mais participativos e activos e virem conhecer e conversar com pessoas que estão aqui deste lado, pessoas essas que têm os mesmos problemas que os vossos, mas que acreditam que vale a pena lutar por um mundo melhor para os nossos filhos. Relembro que a data limite para a confirmação, tanto para o evento como para o almoço convívio, termina a 4 de Julho. O almoço será no restaurante El Rey D. Carlos, Santos (perto do Cais do Sodré) e o preço por pessoa é de 12.50 euros. Podem consultar a ementa e a localização do restaurante neste site: http://www.amarelasinternet.com/restauranteelreydcarlos Os nossos contactos são: geral@apsxf.org 21 4562190/967271404

Ler notícia inteira    
 
 

O ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional afirmou hoje, em Vila Pouca de Aguiar, que um dos problemas do país é que pensou durante muitos anos só no presente sem planear o futuro, vivendo "fora da realidade". Esta declaração de Miguel Poiares Maduro surgiu na sequência da intervenção de um expositor da Feira do Granito de Vila Pouca de Aguiar, que referiu que se devia pensar mais no presente e nas dificuldades que os portugueses estão a viver neste momento. "Eu tenho uma empresa e vivo dentro da empresa porque não tenho condições para ter um apartamento", salientou este empresário que não se quis identificar porque não quer protagonismo. Este expositor pediu para falar logo após o discurso do governante na sessão de boas vindas que decorreu no recinto da feira. Poiares Maduro prometeu que falava no final na sessão e falou. Reação mais intempestiva teve o presidente da Câmara de Vila Pouca de Aguiar, Domingos Dias que não gostou que este empresário tivesse "interrompido" a sessão. Questionado pelos jornalistas sobre esta interrupção, o ministro disse que compreende que as pessoas sintam dificuldades com os sacrifícios que estão a passar e que compreende os protestos, sobretudo quando são genuínos.

Ler notícia inteira    

Cinquenta anos depois de ter sido construída, a Ponte da Arrábida, no Porto, projetada por Edgar Cardoso, está a partir de hoje, dia em que é publicado em Diário da República, classificada como monumento nacional.

Ler notícia inteira    
 
 

Acha que tem coisas a mais? Que não precisa de tanto para viver? Para ser feliz? Um movimento que está a espalhar-se pelo mundo desafia as pessoas a livrar-se de tudo o que têm a mais para usufruírem mais da vida. Pode ser uma viagem dolorosa ao interior de si mesmo, mas garante quem já experimentou que traz um enorme alívio e sensação de liberdade. O minimalismo ou simplicidade voluntária já convenceu várias portuguesas... felizes por terem esvaziado a casa, a agenda e, sobretudo, a cabeça.

Ler notícia inteira    

Desde 2005 que a Câmara de Leiria adia o cumprimento da decisão do Tribunal Administrativo de Coimbra, que ordena a demolição de 19 prédios de habitação, comércio e serviços na urbanização Vale da Cabrita. Em causa está o segundo alvará do loteamento, considerado nulo pelo tribunal já em 1996, por não ter o acordo de todos os proprietários. O executivo municipal, presidido por Raul Castro, defende que "a decisão não é exequível" e procura uma "alternativa" que leve a "um resultado final positivo". E queixa-se de "dificuldades" em reunir todas as partes, apelando ao "bom senso". Na urbanização, ninguém quer ouvir falar em demolições, mas quem tem terrenos no loteamento e não pode construir desespera por uma solução, sobretudo após a atualização do IMI. António Fartaria, coproprietário de vários lotes, diz que "com as recentes avaliações das finanças, o valor atribuído aos terrenos aumentou dez vezes. São valores que não consigo suportar. É uma injustiça, pois não posso construir, nem vender os terrenos".

Ler notícia inteira    
 
 

Tudo começou como um protesto contra o aumento dos preços dos transportes públicos. Mas foi mais, muito mais do que isso, o que levou milhares de brasileiros para a rua,transformando-se na maior onda de protestos das últimas duas décadas. Contra a violência urbana,contra os custos do Mundial de futebol,que o Brasil recebe no próximo ano, contra a precariedade,contra a injustiça, brasileiros de todas as idades e grupos sociais marcharam,a maioria ordeiramente em 12 cidades do país irmão.E deixaram uma imagem clara:"Queremos mudar o Brasil".Mensagem que a presidente diz ter ouvido.Segundo Dilma Rousseff, os protestos demonstram " o valor da democracia" Foi assim na noite de segunda-feira e promete continuar a ser assim. Mas se muitos aproveitaram a oportunidade para expressar o seu desagrado pacificamente, outros houve que das palavras passaram aos atos. Em São Paulo, manifestantes e políticos entraram em confronto e as ruas da cidade transformaram-se num cenário de guerra, com arremesso de pedras, tiros e vidros partidos. No Rio de Janeiro e em Brasília, os parlamentos foram invadidos De acordo com as forças de segurança, em quatro dias de manifestações foram detidos mais de 250 pessoas. Motivo que levaram ontem as Nações Unidas a pedir ao governo brasileiro para adotar as medidas que forem precisas para garantir a liberdade dos manifestantes.

Ler notícia inteira    

A Quercus juntou a sua voz ao apelo das Nações Unidas, que no dia Mundial de Combate à Desertificação e à Seca - assinalado ontem - pede para não se deixar o futuro secar. Em declarações à Rádio TSF, o presidente da associação ambientalista refere que a desertificação pode mesmo tornar-se uma realidade no território português, se nada for feito, em apenas duas décadas. De acordo com o especialista, 66% do nosso país está à beira de ficar mais seco. E embora por cá até se façam planos para minimizar os danos, o problema surge sempre que se trata da sua aplicação prática. É assim por cá, mas este não é um problema apenas nacional. Tanto que a Convenção das Nações Unidas para o combate à desertificação refere, no seu site, que as reservas de água doce disponíveis para uso humano correspondem atualmente a menos de 1% do volume total de água do planeta. Valor que resulta do uso excessivo e que pode ser agravado. Cabe a todos um papel na conservação dos recursos, feito através do uso responsável e da conservação dos solos.

Ler notícia inteira    
 
 
Farmácias de serviço
Precisa de ir à farmácia de serviço? Saiba aqui quem está na escala de hoje …
www.farmaciasdeservico.net

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player